quarta-feira, 16 de novembro de 2016

no tempo das pedras já éramos nós | aninhando gravetos | e empilhando montanhas
de todos os entretempos em que eu vagava | < a trama da cidade > | e você corria,
tão fortes quanto antigos sobrevivíamos | sanguíneos.
e disto nasceu o rio | que por amor divino não tem nome

Nenhum comentário:

Postar um comentário

<_/´\_/`\__>~ tss