quarta-feira, 7 de maio de 2014

tro-voa

Enquanto poetas malditos espreitam
você respira no milímetro entre minha boca e seu
alto. Eu te olho em sonho
Sol
e você aquece até língua tardia.
"Experimenta", chora você nas minhas coxas,
Útero
barriga;
sou sua desde antes do fato, faminta:
amor à primeira vista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

<_/´\_/`\__>~ tss