segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

é assim, funciono circular. quando tudo vai muito bem, devo esquecer do "obrigada", e acabo padecendo na insistência em estabilizar-me. não sei o que dizer. não sei o que pensar, nem como agir. a vida deveria ser simples com toda essa mordomia. me sobra comida e conforto, tenho amigos o suficiente e dinheiro pra viver. que me falta, se o "eu" que conhecemos no fim das contas não existe? contemplar? meditar? verbo nenhum pra mim é além do terapêutico. e eis a única constatação na qual faço questão de acorrentar-me, reconheço que até por motivo de segurança, pra não sair voando desgovernada por aí. os céus são incertos...bem, voltando ao assunto anterior, se os verbos são sobre terapias, talvez a palavra-chave da vida seja um nome. será? um nome como "kumushki", russo?, cujo significado não procuro por enfado: faço de conta que adivinho e vivo feliz assim, com o nome adivinhado. "kumushki" deve ser nostálgico e aguado...

a vida é mistério, a noite é infinita e eu, eu...vasta

Um comentário:

<_/´\_/`\__>~ tss