sábado, 24 de dezembro de 2011

vomitei vinho barato na rua do lado de casa

a verdade é que você me deixa doente
da alma de tudo
vi o jeito que voce abraça os outros
é o jeito tambem que voce sei la porque
arreda o pé da minha mao quando senta do meu lado
o jeito esquisito que voce sai de perto quando eu vou te pedir pra deixar a nossa musica tocar
eu ouvi
tudo
e seu amigo veio me dizer
"voce é ana? ana, deu tanto trabalho"
dei mesmo, dei tudo..inteira como nunca
dei a nuca
dei o braço
dei o sofrimento tanto quanto dei o abraço
e teu amigo tao bebado deve ter te dado tao mais!
queria eu nao ter tristeza por conta dos foras que a vida nos deu
mas nao tem jeito,
agora ta amanhecendo azuzinho...
voce bebado, todo tonto, com os olhos que ai, tao bonitos, tudo caido, poluído
voce costumava ser tao lindo...
agora,
doido de tudo, agoniado, querendo fugir de novo
sem saber onde cabe muito menos de onde veio
cade sua mae?
e seu cachorro?
eu to aqui
vendo seus abraços
apertados
ofegantes
quentes, nossa...que ciúme meu deus
e estranhamente calados
voce bebado de pinga barata abraça minhas amigas gastado, magro
sem comer direito
ou comento em prato feito
achando que é feliz
falo assim porque meu deus, e se voce for? voce é um ser de outro mundo
seus beijos, nosso amor
ontem mesmo
"ver que tudo pode retroceder"
será?
aqueles velhos podem ser nós
a unica coisa que eu sei
é que do mesmo jeito que eu daria o mundo pra agora poder te ver
daria o tudo pouco que tenho pra de mim voce morrer
nao sei o que dizer, o que fazer
sei que voce de um jeito torto se auto condensou
numa especie de aconchego-mundo
dizendo pra todo mundo que sua casa é a estrada
nunca se deu ao trabalho de me perguntar o que havia
agora eu, toda eu, fico tentando entender os seus caminhos
sublimar o meu ciume
e desenterrar os meus carinhos
vou te seguindo em cada passo
te ouvindo em cada gesto
te amando em cada morada
porque ai..me parece;
que eu sim sei te amar
voce nem sabe quem eu sou
saiu por ai a viajar
eu perdi o meu amor pra uma novela das oito
voce fugiu
e tenta viver da razao
forçosamente
uma força sobrehumana
pra me dizer:
to bem!
o que será que voce pensa?
um ano é tao pouco
que me dá dó do tempo
pra voce ter ficado assim, silencioso
apaixonou-se? me conta
voce tem cara de quem sôfrego viveu
e seus amigos tao bebados quanto eu
me contam mais ou menos em segredo
que eu dei muito trabalho
que trabalho meu deus?
vai embora
some de mim
me deixa
eu querendo cozinhar, passar, te alisar
voce mete a mao em mim
e eu perdoo
mete a mao na minha cara
e eu fico em silencio
me chama pra confraternizar
e nem sabe olhando em mim falar
e eu vou, achando que de um jeito ou de jeito outro deve dar
vou fingindo que de tudo tiro proveito
quando na verdade
tenho em mim um antigo sofrimento

Nenhum comentário:

Postar um comentário

<_/´\_/`\__>~ tss