sábado, 24 de dezembro de 2011

oração pagã


dos amores silentes nasce a saliência
e dos salientes sai parido o silêncio

se dos amores salientes vem parido o silêncio
e dos silentes flui em fins a saliência,

dos amores silentes vermelha a agonia
pra depois salientes arrebentar em mil a paciência

dos amores salientes, os que incendiam o tempo
dos amores silentes, os que desencadeiam o encanto

se um começa saliente,
se um começa silente,
escolhe-se o caminho por que via senão a da fadiga?

(melhor deixar...)

saem dos dois as palavras em tecidos
que nos cobre e enrola
e desenvolve os vicios
pra depois, já amor, acontecerem na ponta do início

apaixonar-se é o vício

começar
silente e companheiro
saliente, de corpo inteiro
silente e desumano
saliente e sobrehumano
silente e espaçoso
saliente e solitário
silente e poderoso
saliente e ordinário

nesses todos existir e ser pagão
na mesma medida, mentir
sendo honestamente cristão

coexistir
nas possibilidades infindas do outro, coração
meu
nunca pare de pulsar

pelo amor das chagas de cristo, te imploro
permita-me eternamente o permitir-se
(com o pé afundado nas possibilidades que entendo
e a cabeça afogada nas possibilidades que desconheço)
o (a)mar

Nenhum comentário:

Postar um comentário

<_/´\_/`\__>~ tss