segunda-feira, 17 de outubro de 2011

à Biba Damico


pensando na dualidade,
na ambiguidade
da confusão tosca do meu coração
entendi minha metade homem
e minha metade cavalo
minha metade paulina
e a outra metade paola bracho
entendi uma de cada vez
e devagarinho contei até três:
um, dois, três
(quatro)
tudo bem esses setores da minha alma entrarem todo dia em atrito
se cada um deles cumprir com o contrato eu nem aflita fico
homem, sê inteiro e curioso, leia muito, perdure enquanto seja
cavalo, corra, corra e guarde o tempo na gaveta
paulina, ame com candura, passe, lave e costure
paola trepa, cospe, geme e nunca escuta (também, não entende...)
mas sejam, extrapolem, façam de mim sua morada
e nos dias de chuva, apóiem os cotovelos sobre o parapeito (da Janela)
os antebraços sobre os cotovelos
as mãos sobre os antebraços
a cabeça sobre as mãos
o céu azul sobre a cabeça
e tenham certeza, enquanto pensam (ou não):
amo-vos todos, do jeito que são

Um comentário:

  1. A saudade calou forte aqui no peito e resolvi fazer um barulhinho: "ah...como é doce a ausência"

    ResponderExcluir

<_/´\_/`\__>~ tss